Tag: renascentismo

O Manifesto do Homem Renascentista Moderno

Olá e bem-vindos ao Blog do Homem Renascentista Moderno!
Nesse primeiro post estarei apresentando o nosso Manifesto, ou seja, nossas propostas, nossos ideais, o que somos, enfim, tudo que você precisa saber para conhecer e, caso queira, se tornar um homem renascentista também!

Statue_of_Leonardo_da_Vinci-Vienna

O que é o Homem Renascentista Moderno (HRM)
O Renascentismo foi um período da história ocidental, mais especificamente da história europeia, que se desenrolou entre o fim do século XIV (1300 e alguma coisa) e o fim do século XVI (1500 e alguma coisa). Foi um período de diversas mudanças econômicas, políticas e culturais. Representou o momento de transição entre o mundo medieval e o mundo moderno. Seu nome “Renascentismo” ou “Renascimento” tem o sentido de “renascer”e tal sentido faz parte do ressurgir dos moldes sociais e culturais do mundo antigo greco-romano. Filósofos como Aristóteles, Platão e Cícero voltaram a ser lidos, as obras matemáticas e científicas de Euclides e Arquimedes voltaram a ser devoradas. Era como se a Europa quisesse voltar aos seus ideais antigos e abandonar, de vez, a cultura medieval.
É nesse meio que surge o homem renascentista . Segundo este artigo do Wikipedia: “Acreditando que o homem estava na posse de capacidade intelectual ilimitada, defenderam uma educação capaz de desenvolver essas capacidades, o que levou à reforma de universidades e criação de colégios por toda a Europa. Muitos desenvolveram habilidades em várias áreas do conhecimento, o que gerou a noção do “homem renascentista” como polímata. Defendiam a divulgação de todo o conhecimento o que, impulsionado pela nova tecnologia de imprensa, acelerou o florescimento das línguas vernáculas em detrimento do latim, a língua franca nos meios acadêmicos.” Ou seja, o homem renascentista era um homem que queria absorver o maior número de habilidades e conhecimentos que pudesse.
Agora, imagine você que o homem dessa época não possuía nem um terço da tecnologia e das facilidades que existem hoje. Para ter o conhecimento de qualquer coisa que ele desejasse ele somente possuía duas opções: Ou ia para a Universidade (O que não era muito fácil na época pois requeria do aluno um status de nobre), ou descobria sozinho, pela prática, o que desejava conhecer. Neste último caso, temos como maior exemplo o grande Leonardo da Vinci que, excetuando-se a escola de artes, nunca estudou formalmente e estudava as coisas a partir de experiências. Hoje podemos conhecer quase qualquer coisa com pouco mais do que um smartphone e uma conexão qualquer com a internet. Cursos online, revistas online, e-books, palestras, vídeos… Enfim, temos uma verdadeira “universidade” virtual ao nosso dispôr. Em outras palavras, tornar-se um homem renascentista atualmente é muito mais fácil e eu te mostrarei os princípios gerais para que você possa se tornar um também.

I – Busque sempre o autoaperfeiçoamento
Seja na sua vida pessoal, seja na sua vida profissional, o foco do HRM deve ser sempre o autoaperfeiçoamento. O autoaperfeiçoamento faz com que, assim como os homens da renascença, você busque imaginar sua vida como algo sem limites. Não há limites para o conhecimento, não há limites para sua saúde e seu vigor físico, não há limites para o que você pode fazer! O HRM tem uma mentalidade de abundância e um vício no autoaperfeiçoamento.

II – Seja um polímata
Ser um polímata é ter um bom nível de conhecimento em mais de uma área. Nós tendemos a pensar que devemos ser experts nas áreas que nos profissionalizamos e esquecer ou ignorar o resto. Deixar os outros fazer o resto por nós. “Não preciso saber consertar um chuveiro porque eu sou um médico” é uma frase que, não só te limita, como também não faz sentido. Seguindo essa lógica você também não precisaria saber andar, por exemplo, porque é um médico. Era só contratar alguém especialista em mobilidade de pessoas para te levar da sua casa ao seu escritório, sem você precisar nunca se mover, já que é médico e só deveria conhecer medicina. Então, já provei que é impossível limitar seu conhecimento a uma única área. Porém, convenhamos: ninguém vai se impressionar por você, além de ser um bom médico, souber… andar… É preciso, para um HRM, saber sobre coisas diferentes e igualmente interessantes. Que acharia de alguém que é um guitarrista super famoso e virtuoso e, ao mesmo tempo, um astrofísico que pode te falar sobre estruturas planetárias da mesma forma que você conta o que comeu no almoço? Acha impossível?! Pois então não conhece o britânico Brian May : Guitarrista da (pouco famosa) banda Queen e Phd. em Astrofísica.

III – Pesquisa e aprenda sobre o que te interessa
Tudo bem: falei sobre autoaperfeiçoamento e sobre ser um polímata. Estou disposto a tudo isso, mas como faço? É para isso que a internet está aí! Existem diversas plataformas de informação, tutoriais, cursos, e-books, etc. O que você precisa é definir o que quer aprender e em quanto tempo deseja aprender. Vou deixar aqui algumas plataformas de conhecimentos diversos e gerais que podem ser úteis:
Coursera – Diversos cursos on-line de diversas universidades mundo afora.
Youtube Educação – Plataforma do Youtube para divulgação de conteúdos diversos.
Domínio Público – Plataforma do Governo com diversas obras completas online.

Enfim, há muitas plataformas de ensino e são fáceis de achá-las. O que você precisa é definir o que quer aprender e, a partir daí, descobrir e pesquisar em sites e blog relacionados ao assunto particular. Por exemplo, digamos que queira aprender sobre musculação. Você pesquisaria e encontraria dezenas de sites voltados somente para musculação, exercícios, suplementos, etc.

IV – Disciplina e Virtudes

Essas são duas características fundamentais para alcançar os seus objetivos com paz com você mesmo. Desenvolver um código de virtudes, através de leituras e observações diárias, e possuir disciplina em tudo que fizer fará com que você se sinta motivado, não se sinta perdido e ache um propósito na sua vida. Os homens renascentistas faziam tudo aquilo pois queriam mostrar que estavam fazendo algo maior do que eles. E só conseguiam alcançar com disciplina. Podemos traduzir disciplina como eficiência (A melhor forma de fazer algo) e virtude como a eficácia (O que, de fato, vamos fazer, qual nosso objetivo). Virtude é o que nos move, disciplina é como nos movemos. Veja Jesus Cristo, por exemplo. Morreu por todos aqueles que Ele escolheu e, apesar de pedir ao Pai se seria possível tirar aquele peso e sofrimento todo de suas costas (Lucas 22:42), Ele não teve dúvida em nenhum momento de que era Filho de Deus, enviado para salvar todo aquele que n’Ele cresse. Ele possuía virtude e possuía disciplina.

V – Conclusão

Nesse blog estarei postando diversos artigos para ajudar os  Homens Renascentistas Modernos a se tornarem cada vez melhores. Ajudá-los a buscar o autoaperfeiçoamento, a serem polímatas, a descobrirem os seus interesses e a terem disciplina e virtudes. Buscaremos conhecer hoje mais do que o que conhecíamos ontem.

Anúncios