Tag: livro

“Trabalhe 4 Horas por Semana” por Tim Ferriss – Resenha

20311907-businessman-running-on-the-beach-summer-vacation-stock-photo-office

Nesse post venho trazer uma resenha do livro “Trabalhe 4 Horas por Semana” de Tim Ferriss.

Já havia ouvido falar deste livro há um tempo atrás através de pesquisas na internet. Quando eu procurava por produtividade ou sobre criação de negócios, esse livro sempre aparecia nos topos das listas.

Havia até conseguido uma versão de e-book dele, porém percebi que era uma leitura que eu queria fazer com certa calma. E eu não consigo fazer leituras calmas em frente ao computador. Então, num dia qualquer, visitando uma livraria, deparei-me com ele e, por estar com um preço ótimo (Considerando minhas prévias pesquisas), comprei-o.

Antes de tudo, vamos começar pelo título…

Se você nunca ouviu falar de Tim Ferriss ou desse livro, provavelmente deve ter ficado chocado com o seu título. No Brasil a carga horária semanal padrão é de 40 a 44 horas semanais, 8 horas diárias. Em um dia de trabalho você já trabalhou o dobro do que o título sugere para a semana inteira.

Na verdade, o nome é uma estratégia de marketing bem bolada. O próprio Tim Ferriss já declarou que trabalhar 4 horas é praticamente impossível, porém que é uma espécie de “ideal”. Ideais não podem ser alcançados, mas devem ser a nossa meta. O objetivo do livro é te ensinar a como gastar menos horas de trabalho e ainda produzir mais. 

Como trabalhar menos horas e produzir mais

Os capítulos do livro te levam a uma jornada que o autor chama de “Projeto de Vida”. Seguindo os conselhos e caminhos que ele apresenta durante os capítulos do livro, será possível a você gastar menos tempo no escritório e, ainda assim, produzir muito mais.

Os capítulos são:

– D de Definição: Aqui ele vai te encorajara mudar de vida. Vai te dar uns tapas na cara também. Ele desmente o mito da “aposentadoria feliz ao final da vida”, te inspira a pensar grande, te faz ver como fazer coisas grandes é mais fácil do que realizar coisas medianas.

Medo de largar o emprego e seguir seu sonho? Criando desculpas para buscar uma melhor condição de vida? Esse capítulo vai fazer com que você veja que todo medo e todo receio relacionados a essas coisas são praticamente irracionais. Enfim, é um capítulo que vai te ajudar a rever os conceitos da sua vida e a definir onde quer chegar.

– E de Eliminação: Nesse capítulo Tim Ferriss vai expor e explicar o mais importante do livro: como eliminar o “trabalho pelo trabalho” para focar na produtividade de fato.

Para entender melhor essa ideia vou dar um exemplo que é dado no livro. Tim Ferriss precisava fazer um trabalho na faculdade. Porém, esse trabalho aparentemente caiu no esquecimento (Ou outra coisa aconteceu, não me lembro bem) e, quando percebeu que o trabalho ainda não estava feito, ele tinha 24 horas para começá-lo e terminá-lo. E assim ele o fez. Não só conseguiu completar o trabalho em 24 horas como este também recebeu a nota máxima e este foi considerado o melhor trabalho de sua sala.

Agora, como isso é possível? Bem, segundo ele, não só é possível como é o óbvio a acontecer. Isso se explica pela Lei de Parkinson (também citada no livro). Resumidamente, essa lei diz que qualquer projeto feito em um curtíssimo período de tempo terá o nível de qualidade máximo. Isso porque, ao pôr um prazo extremamente curto, a pessoa que está realizando tal projeto eliminará, naturalmente, toda e qualquer distração e superficialidade e concentrará seus esforços e o seu foco totalmente na elaboração, de fato, daquele projeto.

Além da Lei de Parkinson, ele fala também do Princípio de Parreto, que diz que 80% dos seus resultados vem de 20% dos seus esforços. Aplicando esses dois princípios, Ferriss começou a perceber que poderia eliminar grande parte das suas ações e do seu “trabalho” e, assim, trabalhar menos produzindo mais.

Ele começou a perceber que 80% da renda de sua empresa vinham de 20% dos seus clientes, então começou a parar de ligar e tentar vender para certos clientes que nunca compravam nada, parou de responder a e-mails fúteis e inúteis e começou a focar no trabalho produtivo, em vez de focar no “trabalho pelo trabalho”.

– A de Automação: Considero esse capítulo como o segundo mais importante dentre todos, perdendo somente para o segundo capítulo. Nesse capítulo o autor nos ensina a como automatizar nosso negócio.

Não só ele dá ideias gerais para se iniciar um negócio novo (Vendendo um produto, produzindo produtos inventados por terceiros ou inventando seus próprios produtos) como ele dá dicas práticas de marketing digital e teste de produto usando o Google Adwords e o leilão do Ebay.

Ele dá exemplos motivadores, como um rapaz que começou a vender camisas francesas pela internet e uma moça que inventou um curso de ioga para alpinistas. Além de motivar com os exemplos (Ambos trabalharam pouquíssimas horas tanto para lançar o negócio como para mantê-lo e gerenciá-lo) ele também mostra toda a trajetória de erros e acertos cometidos por eles.

– L de Liberação: Neste último capítulo, Tim Ferriss nos dá dicas de como nos libertar de nossos chefes, de como nos libertar de nosso próprio negócio, de como viajar e de como nos manter ocupados no nosso tempo livre, para que não voltemos ao trabalho pelo trabalho.

Muito do que é dito não é possível de se aplicar no contexto trabalhista brasileiro, que possui uma legislação antiquada. Porém, o que eu achei bastante interessante é que ele motiva o leitor a repensar sobre o seu próprio emprego. Mesmo que não queira abrir seu próprio negócio, procure outras vagas se não estiver feliz com o trabalho que está fazendo.”Quem tem mais opções, tem mais poder”, como ele diz no livro.

Conclusão

A verdade é que foi um dos livros mais desafiadores que eu já li. Não pela complexidade, já que é um livro com linguagem simples e objetiva, mas pelo “tapa na cara” que ele te dá. É um livro que te faz repensar totalmente os conceitos de emprego, trabalho e, principalmente, jornada de trabalho. Fez-me ver como nem tudo na vida é definido pelo trabalho exercido.

Apesar das 4 horas de trabalho semanais serem um ideal e não algo muito provável de ser alcançado, devemos estar pensando sempre em formas de automatizar nossos negócios ou mesmo o nosso trabalho, para que possamos explorar a vida no seu potencial máximo e nunca nos limitar.

PS: O autor do livro, Tim Ferriss, possui um blog e um podcast muito interessantes e eu recomendo a todo HRM que consegue ler e entender o inglês. Para visitar o site oficial clique aqui!

Anúncios