Tag: aprendizado

4 Razões Para Aprender Uma Nova Habilidade

paintings20shoes20dolls20worker20norman20rockwell20old20man20children201196x154820wallpaper_www-wall321-com_25

Olá a todos os homens renascentistas de plantão!
Uma das características principais de todo homem renascentista moderno é a mentalidade de abundância de querer obter o máximo de conhecimento que seja possível ter. É acreditar que a  capacidade de aprendizado e de absorção do ser humano é ilimitada.
Com essa mentalidade sendo o guia de nossas ações, não é difícil desejar aprender mais, buscar mais, obter mais. Porém, se você ainda não está acostumado com a mentalidade ou com a ideia, preparei as 4 mais importantes razões para você aprender uma nova habilidade (Pode considerar-se também um novo conhecimento, enfim, aprender uma coisa nova).

1 – É simples

Talvez você tenha o desejo de entender mais sobre como consertar móveis, por exemplo. Porém sempre que você olha para aquele seu armário do quarto você se assusta. “Meu Deus”, você pensa, “É melhor nem encostar nisso… Parece ser muito complicado”. Você não poderia estar mais enganado! Talvez o modo como o armário foi construído tenha sua aparente complexidade, sendo você um total leigo sobre o assunto. Mas conforme você for lendo, estudando, pesquisando, mexendo, o que antes parecia complexo se mostrará o que sempre foi: algo simples. 

Não só as coisas são simples como aprender qualquer coisa nova, é bem simples. São tão simples que requerem somente uma coisa de você: 20 horas. Já ouviu falar do “Princípio das Primeiras 20 Horas”? Não? Então vou deixar que Josh Kaufman, autor do livro The First 20 Hours (As Primeiras 20 Horas, em tradução livre), explique:

2 – Você vai impressionar (E muito) pessoas próximas

Lembro de quando tinha 12 anos. Basicamente, tudo que eu sabia fazer era tirar boas notas na escola. É o que se espera de qualquer criança com a minha idade. Entretanto, eu tinha uma curiosidade imensa por uma disciplina: a música! Eu via os DVDs dos meus pais com músicos tocando ao vivo  (Desde Beatles até os Engenheiros do Hawaii) e tinha vontade de aprender aquele instrumento que era comum a todos: o violão. Determinado dia, pausei um daqueles DVDs e decidi fazer algo diferente. Meu pai possuía uma violão antigo, da década de 80. Peguei-o, tirei da capa e comecei a tocá-lo. Claro que ninguém em sã consciência chamaria aquilo de alguma coisa diferente de “barulho”. Porém, já era um grande passo.

Quando meu pai me viu com o violão dele, fazendo um barulho assustador (E agindo como se estivesse tocando a 9ª Sinfonia de Beethoven), arregalou os olhos. Sentou e me mostrou como fazer os acordes maiores básicos. Fiquei a semana toda, o tempo todo que tinha livre, praticando aqueles acordes e progredindo com o passar do tempo. Determinado dia, ouvi meu pai e minha mãe conversando entre si. “Nunca imaginei que ele fosse querer aprender violão!”, disse meu pai. “Pois é, sempre imaginei que o outro (Ela se referia ao meu irmão caçula) iria se interessar primeiro, pois o outro é mais ativo e etc.”, disse minha mãe. Eu me senti poderoso diante deles. Eu estava quebrando as expectativas pessimistas e falsas que ambos tinham sobre mim. Foi um sentimento tão bom, tão poderoso, que, mesmo depois de tanto tempo ter se passado, eu tenho quase certeza que essas foram exatamente as palavras proferidas pelos meus pais.

Se você começa a se interessar por algo novo, alguma habilidade, como tocar violão, ou algum novo conhecimento, como ter lido diversos livros sobre determinado assunto, você vai quebrar as expectativas que a maioria das pessoas tem sobre você. Acredite em mim: A maioria das pessoas acha que você não é capaz de muita coisa. Aprender e ficar razoavelmente bom em algo novo faz com que você deixe essa mesma maioria com o queixo caído. E a sensação que vem com isso é uma das melhores que você vai sentir na sua vida.

3 – Você vai se sentir mais confiante consigo mesmo

Quando você está estagnado, sem fazer nada, sem aprender nada, enfim, sem se mover para melhorar e se autoaperfeiçoar, sua mente e corpo começam a te colocar pra baixo.Sua auto-estima vai para o ralo, você se sente constantemente exausto, sem motivação para fazer nada. Isso ocorre pois a sua vida está sem “eustresse”. Não conhece o termo? Eu também não o conhecia há alguns dias atrás, mas já sabia da sua existência pela vivência.

O eustresse, ao contrário do estresse, é um sentimento positivo. Enquanto o estresse consiste em problemas críticos ou críticas destrutivas à você (que fazem mal para sua saúde, por elevar seus níveis de cortisol), o eustresse consiste em desafios que você aceita e, ao terminá-lo, você se sente bem consigo mesmo, confiante, animado. (Para saber mais sobre o eustresse leia essa página)

Quando você deseja aprender algo novo, você está aceitando, automaticamente, um desafio. Apesar de aprender algo novo ser um processo simples (como dito na primeira razão), ele vai testar sua comodidade e sua capacidade criando, assim, um eustresse que, após pouco tempo (20 horas segundo Josh Kaufman), irá fazer você sentir um nível de confiança e satisfação com você mesmo que talvez nunca tenha experimentado na vida.

4 – Vai descobrir algo sobre você que nem você mesmo sabia

Assim como meus pais se impressionaram com o fato de eu estar aprendendo a tocar violão, eu também estava impressionado. A vontade de aprender sobre aquele instrumento foi tão grande e súbita que eu só fui parar para pensar no que tinha feito depois. Eu era uma criança cuja única função e vocação, até aquele momento, era tirar boas notas na escola. Nunca havia me imaginado como aquele garoto que toca violão na hora do recreio e todos admiram.

Sempre que eu aprendo algo novo (Seja ler um livro que desafie a minha forma de pensar, seja ver uma palestra muito boa sobre algum assunto, seja qualquer outra coisa) eu começo a descobrir que, na verdade, eu posso ser o que quiser. E esse é uma das premissas básicas do Homem Renascentista. Sua capacidade de aprendizado é ilimitada.

Fechamento

Gostaria de fechar esse artigo com um adendo: aprenda somente o que tiver interesse. Você nunca irá encontrar nenhuma das 4 razões acima citadas se for aprender algo que não atice em nada o seu interesse. Se tiver dúvidas sobre se o assunto te interessa ou não, faça uma tentativa. Se for um livro, leia o sumário  e as primeiras páginas. Se for um jornal, leia a primeira página. Se for uma palestra, veja os primeiros minutos. Se não sentir nada que faça você, naturalmente, terminar o que começou, NÃO TERMINE! É melhor não ter informação do que ter informação desnecessária para você.

Espero que tenham gostado e que essas razões venham a motivá-los a estar em constante aprendizado!

“Se você pensa que pode ou se pensa que não pode, de qualquer forma você está certo.” – Henry Ford

 

 

Anúncios